A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.




        

Da Grande Guerra à Ilha Grande: a derradeira tentativa, no pós-guerra, de levar o Novo Arsenal de Marinha para fora da Guanabara
From the Great War to the Ilha Grande: the last post-war attempt to take away the new Navy Yard from the Guanabara Bay


Fernando Ribas De Martini
Mestre em História Social pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), doutorando em História Econômica pela mesma universidade. Pesquisador de História das Ciências, com ênfase em temas navais e militares.


RESUMO
Na primeira década do século XX, o Brasil renovou sua Esquadra com modernos navios de guerra. Falhou, porém, em modernizar as então precárias instalações do antigo Arsenal de Marinha, cujas oficinas tanto se espremiam na região central do Rio de Janeiro quanto se dispersavam caoticamente pela Baía de Guanabara. A Marinha se dividia entre os defensores da construção de novas instalações na Ilha das Cobras, vizinha às principais oficinas do antigo arsenal, e os que advogavam uma grandiosa estrutura industrial e militar a ser construída na Baía da Ilha Grande, longe da capital. Este artigo trata da disputa entre essas correntes, das decisões, ações e reações de cada lado, antes, durante e após a Primeira Guerra Mundial. Em especial, analisa a última tentativa dos defensores da Baía da Ilha Grande, no pós-guerra, que chegaram perto de conseguir seus objetivos antes de malograrem ao final de 1922.

PALAVRAS-CHAVES: Arsenal de Marinha, Baía da Ilha Grande, Industrialização

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)
ABSTRACT
Brazil renewed its fleet with modern warships in the first decade of the 20th Century. However, the country failed to modernize the precarious facilities of the ancient Navy Yard, whose workshops were squeezed in the central area of Rio de Janeiro and also dispersed in caos throughout Baía de Guanabara (Guanabara Bay). The Navy was divided between the advocates of new facilities to be built on Ilha das Cobras (Cobras Island), near the main workshops of the old Yard, and the supporters of a big industrial and military structure to be erected at Baía da Ilha Grande (Ilha Grande Bay), far from the Federal Capital. This article addresses their dispute, decisions, actions and conter-actions, before, during and after the First World War. It’s main subject is the last attempt from the advocates of Baía da Ilha Grande, made after the war, which came closer to succeed before failing at the end of 1922.

KEYWORDS: Modernization; Navy Yard, Ilha Grande Bay, Industrialization