A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





A corrida pela tecnologia para controlar o Prata, na rota de Riachuelo
The technological rush to control the Plata, on the Riachuelo path

Fernando Ribas De Martini
Mestre em História Social pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP). Doutorando em História Econômica pela mesma universidade. Pesquisador de História das Ciências, com ênfase em temas navais e militares.


RESUMO
A Batalha Naval do Riachuelo, combate da fase inicial da Guerra do Paraguai que contribuiu para mudar o rumo do conflito, pode ser analisada sob o ponto de vista da corrida pela tecnologia naval. Esta foi empreendida pelos dois lados beligerantes e teve como meta, nos anos imediatamente antes da guerra, a introdução de navios encouraçados antes de seu inimigo em potencial, visando um combate naval naquele teatro de operações. Porém, seu ponto de chegada foi antecipado pelos fatos que apressaram o início do conflito e levaram a Riachuelo, batalha que se deu entre navios ainda sem couraça. O Brasil largou com boa vantagem nessa corrida, por manter uma expressiva Marinha e se atualizar, desde as décadas anteriores, em aquisição, manutenção e construção de novos tipos de navios a vapor, enquanto o Paraguai, pela encomenda de uma série de navios na Europa, buscou anular essa vantagem.

PALAVRAS-CHAVE: Corrida Naval; Tecnologia Naval; Batalha do Riachuelo

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)

ABSTRACT
The Naval Battle of Riachuelo, a combat that helped to change the course of the Paraguayan War in the initial phase of the conflict, can be analyzed from the point of view of the race for naval technology. This race was undertaken by the two warring sides and has aimed, in the years immediately before the war, the introduction of ironclads before their potential enemy, as Brazil and Paraguay envisioned a naval combat in that theater of operations. However, the finish line of the race was anticipated by the facts that hastened the outbreak of the conflict and led to Riachuelo, a battle that had to be fought between unarmored ships. Brazil began the race with a good advantage, by keeping a significant Navy and seeking the acquisition, maintenance and construction of new types of steamships in the previous decades, while Paraguay, by ordering a number of ships in Europe, sought to override this advantage.

KEYWORDS: Naval Race; Naval Technology; Battle of Riachuelo