A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





Batalha Naval do Riachuelo: 150 anos de uma vitoriosa Operação Conjunta da Marinha e do Exército do Brasil

André Cezar Siqueira
Coronel da reserva do Corpo de Engenharia. PTTC no CEPHiMEx/DPHCEx. Possui os Cursos da AMAN(1982), EsAO(1991), ECEME(2004), CPEAEx(2008) e MBA Executivo/FGV(2008).


RESUMO
O presente artigo tem por objetivo apresentar o quadro geral da vitoriosa operação conjunta realizada pela Marinha e o Exército do Brasil, na Batalha Naval do Riachuelo, no dia 11 de junho de 1865. A operação conjunta é toda aquela realizada por duas ou mais forças armadas, sem unidade de comando. O ataque a Corrientes, no dia 25 de maio de 1865, numa operação conjunta do Brasil com a Argentina, impôs a Solano Lopez a necessidade de atacar a força naval brasileira que, em junho de 1865, estava em frente à Corrientes, praticamente na retaguarda da força terrestre invasora paraguaia, que se deslocava pela margem esquerda do Rio Paraná. Assim, 2.287 combatentes brasileiros, sendo 1.113 da Marinha e 1.174 do Exército, embarcados nos nove navios de nossa esquadra, ao sofrerem o ataque paraguaio, no domingo de 11 de junho de 1865, escreveram uma das páginas mais gloriosas da história militar naval do Brasil.

PALAVRAS-CHAVE: Operações Conjuntas, Brasil, Marinha, Exército, Riachuelo

 

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)

ABSTRACT
The purpose of the following article is to present the general framework of the successful joint operation carried out by the Brazilian Navy and Army on the naval Battle of Riachuelo, on June 11th, 1865. Joint operations are those carried out by two or more armed forces, without a commanding unit. The attack on Corrientes on May 25th, 1865, led by a joint operation between Brazil and Argentina, urged Solano Lopez to attack the Brazilian naval force which on June, 1865, was in front of Corrientes, almost at the rear of the invading Paraguayan land force, that was marching by the left bank of Paraná River. 2.287 Brazilian combatants, 1.113 from the Navy and 1.174 from the Army, were boarded on the nine ships of our fleet. As they suffered the Paraguayan attack on a Sunday, June, 11th, 1865, they wrote one of the most glorious pages of Brazilian Navy history.

KEYWORDS: Joint Operations, Brazil, Navy, Army, Riachuelo