A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





Do Estaleiro do Recife à Ribeira das Naus: logística, dinâmicas econômicas e sociais para a construção naval na Capitania de Pernambuco (1755-1788)

Fernanda Cordeiro de Almeida
Doutoranda em História, Cultura e Sociedade – PGHIS/UFPR

Cleverson Fausat
Mestrando em Filosofia Geral – Universidade Nova de Lisboa – Portugal


RESUMO
A partir da segunda metade do século XVIII, a administração portuguesa implementou uma série de normas para a extração e beneficiamento das madeiras da Capitania de Pernambuco, com a finalidade de abastecer a construção naval na Ribeira das Naus em Lisboa. Em adição às novas normas, foram efetivadas expedições de catalogação das porções florestais correspondentes à Capitania da Paraíba, à Comarca do Recife e ao Distrito de Alagoas. Entre 1755 e 1788, seis governadores da Capitania de Pernambuco colocaram em prática as ordens emanadas da Secretaria de Estado de Marinha e Ultramar, com o objetivo último de aprimorar a logística do Estaleiro do Recife. Em consequência disto, foram avaliados os melhores portos de escoamento da produção, realizados testes em amostras de madeiras no Real Arsenal do Exército e contratados novos mestres carpinteiros provenientes do Reino.

PALAVRAS-CHAVE: Administração colonial; Pernambuco; Construção naval

ABSTRACT
From the second half of the eighteenth century, the Portuguese authorities implemented a series of rules for the extraction and processing of wood from the Captaincy of Pernambuco, with the aim of supplying shipbuilding in Ribeira das Naus in Lisbon. Moreover to the new standards, cataloging expeditions to the corresponding Captaincy of Paraíba, the judicial district of Recife and the District of Alagoas forest portions were enforced. Between 1755 and 1788 six managers of the Captaincy of Pernambuco put into practice the orders issued by the State Department of Navy and Overseas, with the ultimate goal of improving the logistics of the reef site. As a result, we evaluated the best ports for transportation of production, conducted tests on samples of wood at the Royal Army Arsenal and hired new master carpenters from the Kingdom.

KEYWORDS: Colonial administration; Pernambuco; Shipbuildingr

INTRODUÇÃO

A recomendação do uso de madeiras de construção para finalidades náuticas na Capitania de Pernambuco remonta, provavelmente, ao século XVII, mais precisamente em 1634. Em finais desse ano, o Rei Felipe III salientou a importância da utilização das madeiras da América portuguesa para a indústria naval. Excetuando-se o comércio do pau-brasil, foi somente a partir de 1755 que se deu início às investigações nas florestas da Capitania de Pernambuco com o fito de enviar madeiras de construção para Lisboa.

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)