A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





“Como leais soldados”: algumas reflexões sobre a primeira batalha dos Guararapes

Bruno Romero Ferreira Miranda
Doutor em História pela Universidade de Leiden, Países Baixos. Professor Adjunto do Departamento de História da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Sócio efetivo do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano (IAHGP).


RESUMO
Conhecida como uma das batalhas que selaram o curso do domínio da Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais no Brasil, a primeira batalha dos Guararapes foi objeto de estudo de vários historiadores. Alguns procuraram entender como um exército reputado como um dos mais modernos do período sucumbiu diante de um grupo inferior em número e treinamento militar. A escolha do terreno e o uso de um tipo de guerra não convencional aparecem como os pilares da explicação do ocorrido. Todavia, a análise de certos documentos neerlandeses permite a ampliação do debate em torno da derrocada nos Guararapes. O objetivo deste artigo é fazer algumas reflexões em torno da questão disciplinar da tropa da Companhia e tratar de eventos anteriores e posteriores à primeira batalha que permitem repensar o confronto e, sobretudo, seu desfecho.

PALAVRAS-CHAVE: Companhia das Índias Ocidentais; Batalha dos Guararapes; insubordinação

ABSTRACT
Known as one of the battles that set the course of the Dutch West India Company’s domain in Brazil, the first battle of Guararapes was subject of study for many historians. Some of them tried to understand how an army that was reputed as one of the most modern of the period has succumbed to an inferior group in size and training. The choice of the battlefield and the use of a not conventional type of war by its enemies seems to be the main line of interpretation for the events. However, the analisys of certain Dutch documents allow us to broaden the debate on the Guararapes’ defeat. The objective of this article is to do some thinking around the military discipline issue on the Company’s army and to discuss some events occurred before and after the battle, which allow us to rethink the struggle and, mainly, its outcome.

KEYWORDS: Dutch West India Company; Battle of Guararapes; insubordination

INTRODUÇÃO

A expressiva derrota do exército da Companhia das Índias Ocidentais para uma tropa numericamente inferior nos montes Guararapes, em abril de 1648, influenciou decisivamente na saída definitiva do Brasil dos neerlandeses. Mesmo levando em consideração as grandes dificuldades enfrentadas pelos rebeldes desde o início de sua insurreição para expulsar definitivamente os invasores, o duro golpe empreendido por suas forças ante um exército reputado como um dos mais poderosos do período é usualmente explicado pela utilização de um tipo de guerra não convencional e pela escolha de um terreno vantajoso. Essa explicação pautada na destreza da milícia da terra e no tipo diferenciado de guerra praticado por ela seria feita até mesmo por gente da Companhia em cartas e relatórios que explicam os desastrosos acontecimentos em Guararapes, que ocorreriam novamente, e com ainda mais vigor, em 1649.

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)