A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





Recuperação da memória imagética de artefatos retirados de sítios de naufrágios no litoral de Pernambuco entre 1950 e 2000

Carlos Celestino Rios e Souza
Capitão de Fragata (Ref-T), Arqueólogo Subaquático e Professor do Departamento de Arqueologia/ CFCH-UFPE.

Amanda de Azevêdo Cavalcanti Tavares
 Bacharel em Arqueologia; CFCH-UFPE.


RESUMO
O presente trabalho trata de localização e identificação dos artefatos arqueológicos retirados de cascos soçobrados na costa pernambucana por mergulhadores, do resgate de parte da história trágico-marítima de Pernambuco dos navios identificados por meio da historiografia, bem como do registro imagético de parte dos artefatos encontrados nas coleções particulares entre 1950 e 2000, para que se dê início a coleções de referência e se contribua com novos dados para a carta arqueológica de naufrágios localizados em Pernambuco.

PALAVRAS-CHAVE: Artefatos arqueológicos, Naufrágio, Registro imagético

ABSTRACT
The present work concerns in the localization and identification of archaeological artifacts taken from shipwrecks off the coast of Pernambuco by divers, in the rescue of the tragic history part and shipwrecks of Pernambuco identified by historiography, as well as the and imagetic registration of the artifacts found in private collections between 1950 and 2000, to initiate reference collections and contribute with news data to the archaeological shipwrecks chart of Pernambuco.

KEYWORDS: Archaeological artifacts, Shipwrecks, Imagetic registration

INTRODUÇÃO

Sendo um dos temas da pesquisa a Arqueologia Subaquática, ela se diferencia da arqueologia efetuada em terra firme apenas no que diz respeito às adaptações das técnicas arqueológicas utilizadas em ambientes terrestres (RAMBELLI, 2003). Portanto, a título de esclarecimento, sítios arqueológicos subaquáticos compreendem basicamente sítios depositários, terrestres submerso, rituais e de naufrágio, estes estando embaixo d’água, em zona intertidais (entre marés) ou em terra firme, onde existam testemunhos da cultura material de atividades humanas por pelo menos 100 anos (Unesco, 2001).

No caso desta pesquisa, os objetos de estudo são os sítios de naufrágio localizados no litoral pernambucano. Dessa forma, segundo Carlos Rios (2010), os sítios de naufrágio são formados pelas embarcações e/ou navios soçobradas com tudo o que eles transportavam de material e pessoal no momento do sinistro. Como exemplo de sítio histórico há o naufrágio Lamarão I (Galera Balsemão), localizado a 1,8 milha náutica da boca da barra do porto do Recife.

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)