A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





A cartografia impressa do Brasil: 1506-1922; os 100 mapas mais influentes

Paulo Knauss
Professor do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense e Diretor-Geral do Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, coautor de Brasil: uma cartografia (Casa da Palavra, 2011).

Resenha de GUEDES, Max Justo. A cartografia impressa do Brasil: 1506-1922; os 100 mapas mais influentes; prefácio: Pedro Corrêa do Lago. Rio de Janeiro: Capivara, 2012.

O lançamento deste novo livro sobre a história da cartografia brasileira deve ser celebrado. O livro é resultado do último projeto de pesquisa de Max Justo Guedes, o almirante que se tornou o mais importante estudioso brasileiro da história da cartografia. Mas, com sua passagem no fim do ano de 2011, a publicação de A cartografia impressa do Brasil: 1506-1922 se torna também uma justa homenagem à memória do autor, aliás, o que é ressaltado no prefácio de Pedro Corrêa do Lago, que como editor divide com os leitores a história do livro. Pelos anos dedicados ao estudo da história naval e da cartografia e tendo se destacado por quase trinta anos como diretor do Serviço de Documentação Geral da Marinha e depois como vice-presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, o Almirante Max Justo Guedes se tornou uma das personalidades mais conhecidas da pesquisa histórica no Brasil. No momento em que o meio acadêmico convive com sua falta, é de se felicitar a publicação desta obra de referência sobre a cartografia do Brasil, destinada a compor a bibliografia básica do campo. A edição de bom acabamento gráfico garante a longevidade da obra. Não há como negar que, diante da efemeridade da vida, os livros perpetuam a presença de seus autores.

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)