A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





Um mar de heranças: a importância do Atlântico na configuração do Império do Brasil

Luana de Amorim Donin
Historiadora e Mestranda do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense(PPGH-UFF). Bolsista da Capes.


RESUMO
Este artigo busca entender a relação de construção do Império português e os caminhos do mar, apontando as vantagens e os desafios de manutenção de um monopólio marítimo. Almeja-se, ademais, compreender de que forma as heranças dessa tradição portuguesa foram legadas ao Império do Brasil e como essa região se colocou nas novas dinâmicas marítimas apresentadas no século XIX.

PALAVRAS-CHAVE: Oceano, Império português, Império do Brasil

ABSTRACT
This paper aims to understand the relationship between the Portuguese empire and the pathways of the sea, pointing out the advantages and challenges of the management of a maritime monopoly. We seek to understand how the legacies of this Portuguese tradition were bequeathed to the Brazilian Empire and how this region dealt with the new 19th century maritime dynamics.

KEYWORDS: Ocean, the Portuguese Empire, the Empire of Brazil

No alvorecer da época dos descobrimentos, entre os muitos fatores que contribuíram para a união de continentes e povos de todo o mundo, um elemento se destaca como ator principal: o mar. Compreender essa vasta imensidão de água não apenas como ponto geográfico a ser vencido, mas também como parte integrante do processo histórico de formação econômica, social e política de toda a humanidade, abre caminho para um melhor entendimento da direção tomada pelos agentes históricos na construção do Ocidente moderno.

O Oceano Atlântico desponta como personagem central desde o período dos descobrimentos até os mais complexos sistemas capitalistas como espaço integrador de inúmeras regiões territoriais. O Atlântico como região histórica estável criou uma divisão de trabalho material e espacial que determinou padrões de povoamento, atividade econômica e circulação de mercadorias e migrações. Nessa perspectiva, Portugal e a construção de seu Império marítimo estavam intimamente imbricados ao espaço atlântico, tendo sido de fundamental relevância a manutenção dos caminhos marítimos que definiram a própria conformação do Império português. A centralidade do mar foi também legado deixado aos seus domínios marítimos, especialmente o Império do Brasil, principal herdeiro do complexo marítimo português.

((Veja o artigo na íntegra na versão PDF)