A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





Dom João – Príncipe Regente e Rei – um soberano e muitas controvérsias

Ismênia de Lima Martins
Professora do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense e Coordenadora do Repertório Joanino da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.


RESUMO
Pode-se dizer que Dom João enfrentou uma série de dificuldades na vida familiar e sucessivas turbulências na esfera política. Se existe a concordância de todos os autores, que se basearam no depoimento daqueles que o conheceram de perto, quanto à sua bondade e afabilidade, todo o resto é controvérsia. Enquanto uns apontavam sua visão de estadista, outros consideravam-no inteiramente covarde e despreparado para governar. De qualquer maneira, Dom João VI marcou de forma indelével a história luso-brasileira, fato que repercute até o presente, através de uma historiografia, que insiste em julgar o Rei, desprezando as transformações contínuas, que a disciplina experimentou ao longo do século XX.

PALAVRAS-CHAVE: 1808, Dom João VI, Historiografia

ABSTRACT
You could say that D. João faced a number of difficulties in family life and subsequent turmoil in the political sphere. If there is agreement by all authors, who relied on the testimony of those who knew him closely, as to its goodness and kindness, all the rest is controversial. While some pointed to his vision of a statesman, others considered him a coward and wholly unprepared to govern. Anyway, D. João VI left its indelible mark Luso-Brazilian history, a fact that resonates to the present, through a historiography that insists on judging the King, ignoring the continuous transformations, which experienced over the course of the twentieth century.

KEYWORDS: 1808, D. João VI, Historiography

Pode-se dizer que Dom João enfrentou uma série de dificuldades na vida familiar e sucessivas turbulências na esfera política. Tornou-se príncipe herdeiro, após a morte de seu irmão, e regente, após a loucura de sua mãe. Vivenciou um casamento cheio de consequências no plano pessoal e político, tendo sido alvo de uma série de conspirações que envolviam sua mulher. Durante o seu governo, ocorreu a invasão de Portugal pela França, a vinda da Corte para o Brasil, a necessidade de prover a administração do Reino, a exigência de equilibrar seus interesses no forte jogo diplomático e conviver com a instauração de uma nova ordem política.
A trajetória pessoal do monarca, acrescida de inúmeras histórias relativas à sua vida familiar, serve a muitas interpretações.

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)