A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





A Tomada de Caiena vista do lado francês

Ciro Flamarion Cardoso
Possui graduação em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1965) e doutorado em História - Université de Paris X, Nanterre (1971). Atualmente é professor titular da Universidade Federal Fluminense.


RESUMO
O presente artigo busca analisar a tomada de Caiena, a partir do ponto de vista francês. A campanha de 1808-1809, que culminou na tomada de Caiena, ao qual se seguiram mais de oito anos de administração luso-paraense da Guiana Francesa, foi inicialmente, na percepção de Victor Hugues, uma expedição para o estabelecimento de fronteiras. Entretanto, a presença dos britânicos demonstrou que a fixação de fronteiras não era o único objetivo. O ataque a Caiena, com o apoio britânico, foi o gesto possível dos luso-brasileiros após a declaração de guerra à França, em 1º de maio de 1808, no Rio de Janeiro, pelo Príncipe Regente Dom João.

PALAVRAS-CHAVE: História Militar, Caiena, Campanha Militar de 1808-1809

ABSTRACT
This This paper analyzes the decision of conquering Caiena, as seen from a French point of view. The 1808-1809 campaign culminated in the taking of Cayenne, followed by eight years of Portuguese administration in French Guiana. In the early opinion of Victor Hugues, this was only an expedition to establish boundaries. However, the presence of Britain showed that the setting of borders was not the only goal. The attack on Cayenne with British support was the only possible gesture by Regent Prince João after declaring war on France.

KEYWORDS:
Military History, Cayenne, Military Campaign of 1808-1809

INTRODUÇÃO

A campanha de 1808-1809 culminou na tomada de Caiena, a que se seguiram mais de oito anos de administração luso-paraense da Guiana Francesa. Apesar de, à primeira vista, parecer insignificante como conflito e como feito de armas − no máximo caracterizaram-na algumas escaramuças pouco sangrentas que envolveram um número reduzido de combatentes −, parece mais razoável avaliar um episódio como o que nos ocupa em contexto e, não, por meio de considerações abstratas. Para os recursos paraenses da época, a expedição militar representou um esforço de considerável magnitude e grande dificuldade; uma dificuldade que se estendeu, posteriormente, à própria ocupação da colônia, vencida, do lado português, por tropas paraenses majoritariamente indígenas cuja vontade era, o tempo todo, a volta ao Pará. Outrossim, o episódio da tomada de Caiena é relevante, no âmbito da História Militar, por diversas razões:

(Veja o artigo na íntegra na versão PDF)