A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





Navegar, lutar, pedir e... receber
(As concorrências nas fortalezas da Barra do Rio de Janeiro nas consultas do Conselho Ultramarino, na segunda metade do século XVII, no Rio de Janeiro)

Luiz Guilherme Scaldaferri Moreira
É Mestre em História Social pela UFRJ (2010). Possui Bacharelado e Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001). Atualmente, está vinculado à Prefeitura Municipal de São Pedro da Aldeia - RJ, onde desenvolve a pesquisa “História da Aldeia de São Pedro”. É Pesquisador no projeto “Cores da escravidão o Atlântico Sul de língua portuguesa” (c. 1720- c.1850). Tem experiência na área de História, com ênfase em História Moderna e do Brasil, e atua também na área de Educação.


RESUMO
O artigo pretende traçar um perfil, tanto social como militar, dos capitães das fortalezas localizadas na entrada da Baía de Guanabara, na segunda metade do século XVII. Analisaremos as duas fortalezas mais relevantes, a de São João e a de Santa Cruz. Estes fortes são importantes não só pela defesa bélica da região, devido à sua posição estratégica, mas também pelo controle sobre o comércio marítimo da cidade, que não podia ser dissociado da questão militar. Além disto, também pretende dialogar com historiografia que trata do tema.

PALAVRAS-CHAVE: Rio de Janeiro; história militar; Brasil Colônia

ABSTRACT
This work aims to outline a profile, both social and military, of the fortresses’ captains in the entrance of the Guanabara Bay on the second half of the 17th century. We will analyze the most important fortresses: São João and Santa Cruz. Those forts are important not only for the local protection (due to its strategic position) but also for controlling the maritime trade of the city which could not be dissociated from the military importance. Besides, this work also will dialog with the historiography’s theme.

KEYWORDS: Rio de Janeiro; military history; colonial Brazil