A Revista NAVIGATOR é dirigida a professores, pesquisadores e alunos de História e tem como propósito promover e incentivar o debate e a pesquisa sobre temas de História Marítima no meio acadêmico.





Velas e canhões no expansionismo holandês do século XVII

William Carmo Cesar
Capitão de Mar e Guerra, Professor de História Naval da Escola Naval, tem experiência e interesse em História, com ênfase na formação, desenvolvimento e atuação do Poder Naval.


RESUMO
Entre 1599, ocasião em que Olivier van Noort na pioneira viagem de circum-navegação holandesa atacou o Rio de Janeiro e, 1654, quando houve a capitulação na Campina do Taborda e a retirada do Nordeste, os holandeses efetuaram vários ataques, incursões, invasões e ocupações no litoral da América, no Atlântico Sul, então parte do Império Português. Nesse espaço de tempo, que abrange metade do século XVII, a novíssima república das Províncias Unidas dos Países Baixos, separada da Espanha do católico Habsburgo Felipe II, avançou vorazmente sobre as colônias do vasto Império então luso-espanhol espalhado por terras da América, da África e da Ásia.

PALAVRAS-CHAVE: Expansionismo holandês, era da vela, Poder Naval

ABSTRACT
Between 1599 and 1654 the Dutch attacked and occupied the American Coast on the South Atlantic, that were part of the Portuguese Empire. On those same years Olivier van Noort in the first Dutch circumnavigation journey attacked Rio de Janeiro and Campina Grande capitulate together with the northeast withdrawal.
In this period of time (half of the 17Th century) the newest republic of the United Provinces of the Netherlands, apart from Spain’s Catholic Philip II, advanced voraciously on the colonies of the vast Spanish empire than luso-spanish scattered on American, African and Asian lands.


KEYWORDS: Dutch expansionism, the era of sail, naval power